Cigana

Da luz da fogueira abrolhavam sombras,confundindo a todos com suas formas insanas e aduncas, a chama parecia ficar ainda mais intensa com a musica que soava ali animada, fervendo o sangue dos ciganos sorridentes e ébrios.

Os mesmos que caiam abestalhados nas curvas perigosas do corpo acobreado daquela ninfeta, que rodava a saia e jogava seus cachos negros, como uma saudação aos trapaceiros que ali estavam.

Era uma roda, festejando a vida, comemorando a morte, de mais um inimigo, os trapaceiros, aqueles nascidos sob a escuridão de uma noite de lua nova, que não acharam a luz ao nascer, agora procuram o luar nos bolsos dos nobres e nos cofres do comercio, em meio as moedas de ouro.

1 comentários:

Mundo Mudo, Ouvidos Surdos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.

Postar um comentário